Cores e relevos: quando as paredes fazem parte da decoração.

Cores e relevos: quando as paredes fazem parte da decoração.

Quando pensamos em dar um up em nossa casa,
apartamento ou até mesmo em prédios comerciais,
logo surgem as questões:
Quais cores escolher? Usar relevos?

Antes de qualquer coisa é muito importante entender um pouco mais como cores e relevos “funcionam” e quais os fatores que precisam ser observados no processo de escolha para se alcançar o melhor resultado.

 

RELEVO TAMBÉM É ARTE NA PAREDE

O relevo usado como revestimento externo tem ótimo resultado estético e decorativo, quebrando a monotonia de grandes vãos e valorizando fachadas. Já quando usados nos projetos de interiores trazem aconchego, podendo ser em revestimentos de tecidos, madeira, pedra, cimentícios, porcelanatos e tantas outras opções disponíveis. Essa sensação de acolhimento é em função de reconhecermos como elemento mais próximo da natureza, de forma orgânica e sensorial. O bem-estar de um ambiente também se faz com conforto acústico, neste caso os relevos fazem o papel de rebatedor do som. Quando recebem uma luz apropriada, os relevos ficam mais destacados e esta textura normalmente representa aconchego.  Aqui fica uma dica: muito mais que uma tendência, os relevos vieram para ficar e durar. Aposte neles sem medo!

 

AS CORES VALORIZAM AMBIENTES

     

A percepção das cores varia dependendo do seu local de aplicação e da incidência de luz. Então, nossa percepção da cor pode mudar conforme as mudanças das condições luminosas do ambiente. Sua percepção também varia ao olhar de homens e mulheres. Isso mesmo! Homens e mulheres enxergam a cor de forma diferente.

As cores também influenciam nosso estado de ânimo. O azul e o verde acalmam, já o vermelho e o laranja estimulam os sentidos. Então atenção: um quarto vermelho pode ser bastante ousado, mas pode dificultar o sono e o descanso.

A escolha das cores serve ainda para tornar o ambiente em que vivemos mais confortável e otimizado: o hospital tem frequentemente paredes pintadas de azul ou verde claro, para relaxar os pacientes, enquanto o marrom do piso lembra a terra e a estabilidade.

Cores podem até mesmo, trazer sensação de leveza e de “peso”. Um exemplo de  “peso visual” é uma ilusão de ótica gerada ao olharmos determinada cor, alterando sensorialmente até mesmo formas ou volumes.

As cores luminosas carregam consigo vitalidade e dinamismo. Aquelas suaves, ao contrário, geram uma sensação de silêncio e tranquilidade. O amarelo tem o grau máximo de luminosidade, trazendo a sensação semelhante à de uma iluminação verdadeira. Já aliado ao preto, por exemplo, funciona como alerta. Por isso essa combinação é utilizada em diversas placas de sinalização e avisos.

As superfícies verdes ou azuis parecem mais amplas que aquelas vermelhas ou amarelas.

Já em termos de sensação de localização o vermelho e amarelo parecem estar mais próximos, em contrapartida, o azul e verde, parecem estar mais distantes. A cor também é usada para ampliar ou diminuir algo. Por exemplo, se quiser rebaixar um teto, pinte de preto.

 

CONCLUSÃO

Sendo assim, é muito importante levar em consideração essas informações antes da definição de uma cor ou revestimento para determinado ambiente.

Pense nas sensações que deseja conseguir com a pintura ou a aplicação de relevos. Aconchego? Tranquilidade? Vitalidade? Respondendo para si mesmo essas questões, suas escolhas serão sem dúvida, bem mais acertadas e duradouras. Agora, mãos à obra!

 

O amarelo fazendo papel de “iluminador” na fachada.

 

O preto trazendo a sensação de “rebaixo” no teto.

 

A superfície vermelha parece mais próxima. A azul  mais distante.

 

A cor usada com mais ou menos saturação, em forma de degrade, pode resultar em várias sensações.

 

    

O mesmo ambiente com duas sensações provocada pela variação das cores.

 

A cor também serve para orientar e alertar caminhos. Serve para expressar emoções.